AgendaPróximos eventos

17/09 São Paulo – Brasil
20/09 Buenos Aires – Argentina
23/09 Auckland – Nova Zelândia
26/09 Brisbane – Austrália
27/09 Sydney – Austrália
30/09 Melbourne – Austrália
03/10 Perth – Austrália
10/10 Tóquio – Japão
11/10 Tóquio – Japão
13/10 Osaka – Japão
15/10 Taipei – Taiwan
02/02 Cape Town – África do Sul
03/02 Johannesburg – África do Sul
11.11.16
Categorias: The Vamps

#TheVampsOurStory: Como a banda lidou com o início da fama

Por Paula Sales Compartilhe já em:

Como publicamos anteriormente, o TVBR postará trechos especiais da biografia do The Vamps em Português para os fãs curiosos. Vamos mergulhar em mais uma história? Saiba detalhes de como a banda lidou com o início da fama (tem choro do Bradley e muito abraço dos colegas de banda!)

“Con: Literalmente meses depois de entrar no The Vamps, nós entramos em turnê com o McFly. Foi completamente louco. Que modo incrível de sermos apresentados para a banda! Eu acho que não deu muito tempo de parar desde a turnê, mas nós estávamos juntos constantemente então foi um bom modo de nos conhecermos.”

“Tristan: Nós ensaiamos para a turnê em minha casa em Devon. Nós ficamos na minha garagem por três dias e foi um momento importante porquê nós estávamos aprendendo como as coisas funcionavam com Connor na banda. E uma vez que ele entrou eu sabia que estava errado antes, nós totalmente clicávamos como um quarteto.”

James: Abrir a turnê ‘The Best of McFly’ foi incrível. Nós sempre nos inspiramos neles, e para nosso primeiro show como banda, tocamos para 3.000 pessoas no Oasis, centro de Swindon. Nós terminamos a turnê em Wembley e foi tão animador para nós, pois é uma arena legendária. Nós só tocamos quatro canções mas ainda hoje é um dos momentos mais memoráveis porquê foi a primeira vez que tocamos lá. Quando chegamos em Londres muitas pessoas da plateia já haviam assistido performances dos shows anteriores no Youtube, então eles cantavam nossas músicas, o que foi insano.”

Brad: A tour foi incrível, depois nós começamos a divulgar Can We Dance, que gravamos em Nova Yorque. Nós arranjamos um evento no shopping Westfield em Londres no dia 3 de Agosto para promover a música, e nós não tínhamos ideia de quantas pessoas apareceriam. Nós esperávamos que algumas iriam. Nós tínhamos 250,000 inscritos no Youtube na época, mas não sabíamos se isso significaria que pessoas se esforçariam para nos ver. Na manhã do show alguém do Westfield ligou para a nossa gravadora e disse que garotas estavam acampando desde às 05:00 da manhã e eles queriam cancelar o evento porquê não tinha segurança o suficiente. Foi louco.”

Tristan: No fim eles deixaram o evento acontecer e a atmosfera foi incrível. Realmente senti que nós estávamos começando a ir a algum lugar. No dia seguinte nós viajamos para Glasgow para a primeira data de nosso fan rally, que basicamente era uma mini turnê que organizamos para performar para novos fãs. Novamente, não sabíamos se alguém estaria lá, mas quando chegamos no local haviam centenas de fãs esperando fora e foi um grande choque. Foi a primeira vez que experienciamos histeria e realmente pegou Brad. Ele estava se sentindo incerto sobre esse mundo estranho, e como vocalista ele sentiu-se pressionado.”

Brad: Eu acho que foi uma combinação de cansaço com estresse, me senti cheio e em pânico. Nosso outro empresário, Joe, estava sentado no camarim comigo e eu estava chorando o tempo inteiro, por horas. Senti que The Vamps realmente estava se tornando real e eu não sabia se conseguia lidar com isso. Nós estávamos longe de casa por um tempo e eu acho que estava com saudade da minha vida normal. Senti como se uma coisa grande estivesse acontecendo e iria nos afastar de tudo que estávamos acostumados, a estabilidade. Era como se houvesse um peso em meus ombros e uma vez que começássemos essa jornada, não havia volta. Nós não estávamos mais bagunçando na garagem de Tristan, não estávamos abrindo o show de outra banda. Todos aqueles fãs estavam lá por nós.

(…)

Connor: Nós fizemos uma turnê por rádios para divulgar o lançamento do single. Nós aparecíamos, batíamos um papo, tocávamos música acústica e íamos para o próximo lugar. Milhares de fãs apareceram em cada estação e nós amamos isso.”

Tristan: Fomos para a Radio 1 pela primeira vez, foi algo importante para nós. Na época já possuíamos uma boa quantidade de seguidores no Twitter então nós dissemos, ‘Se vocês estiverem perto, venham e nos digam oi’. Nós pensamos que algumas pessoas apareceriam mas mais de mil apareceram e o time de segurança estava realmente com medo. A partir daquele dia nós não podemos dizer quando vamos a Radio 1. Se tornou uma brincadeira com os seguranças lá.”

James: Nós fomos direto para outra entrevista – na Capital FM na Leicester Square, e haviam mais de mil fãs também. Nós não conseguíamos passar por eles para chegar em nossa van e Richard machucou-se na muvuca. Hoje em dia nos certificamos de ter seguranças para todos estarem a salvo, especialmente os fãs. Nós ficaríamos devastados se alguém se machucasse. Nós também tivemos que fazer algumas entrevistas para o single e foi estranho. Somos garotos normais e não estávamos acostumados com pessoas tentando fazer-nos dizer coisas e nos pegar no ato. É um pouco estranho, nós estávamos em relacionamentos e não podíamos falar sobre isso, então haviam pegadinhas.”

Con: Nós lemos coisas muito estranhas sobre nós mesmos ao passar dos anos. Uma vez li que aparentemente eu estava namorando Jade da Little Mix, mas nenhum de nós estava sabendo disso [do namoro]. Houve um rumor que Tristan e James tiveram 700 shots [copinhos de vodka] numa festa, o que é ridículo porquê eles estariam mortos agora. Eles ficaram na festa por uns 17 minutos. Nós somos sortudos por não termos paparazzi em nossas vidas privadas. Se vamos num evento esperamos ter nossa foto tirada, é claro, mas nunca seremos essas bandas que tentam ter fotos clicadas saindo de um supermercado.

James: Lançar nosso primeiro single foi estranho porquê tudo era novo. Se estou sendo totalmente honesto eu não estava tão animado com ‘Can We Dance’ quando gravamos no começo, então não tinha ideia de como seria.”

(…)

Tristan: Nós estávamos bem ocupados após ‘Can We Dance’ nos charts, e a primeira aparição importante na TV foi o Birg Brother’s Bit on the Side. Nós estávamos petrificados. Haviam como três ou quatro milhões de pessoas assistindo o programa. Nada pode te preparar para isso.”

Connor: Nós também fomos ao Blue Peter um pouco antes, e tínhamos que apenas ficar e assistir do canto até o momento que nos chamassem. Mas Tristan entrou no palco com os apresentadores. Porquê foi ao vivo, nós estávamos no canto olhando para ele, pensando: ‘Não!’