nós temos 24567 imagens em 1132 albuns e 91 categorias visualizadas 707479 vezes

The Vamps conta como quiseram retornar ao seu próprio som após o último álbum de colaborações com outros artistas.

Os pop-rockers britânicos trabalharam com DJs incluindo Matoma e Mike Perry no Night & Day (Night Edition) no ano passado. Com a segunda parte lançada na sexta-feira (13), a banda limitou o número de colaborações para que pudessem voltar às suas raízes. No Night & Day (Day Edition), gravaram com um pequeno número de artistas, como Machine Gun Kelly e Danny Avila.

O guitarrista e cantor do grupo James McVey, de 24 anos, disse ao Standard:

“No Night Edition (lançado no ano passado) nós fizemos muitas colaborações com DJs e, sem querer, meio que fomos por essa direção no resto do álbum. Com esse há apenas uma ou duas colaborações, mas o resto está de volta ao original. Queríamos voltar a esse som.”

O vocalista Bradley Simpson, de 22 anos, explicou que o som escolhido pela banda no Day Edition, foi influência da infância. Ele disse:

“O Night Edition foi um desafio porque nós crescemos com bandas, então essa pegada sempre nos definiu, por que somos músicos. A vibe dançante com o último álbum foi um desafio, isso mantém a diversão. É fácil ficar em sua zona de conforto, você tem que fazer coisas que realmente te desafiam.”

O grupo, que lançou quatro álbuns em cinco anos e embarcou em cinco turnês, destacou a importância de lançar constantemente conteúdo. McVey disse:

“Nós fizemos cinco turnês em cinco anos e quatro álbuns em cinco anos, somos a única banda que fez isso. A natureza disso é que temos que liberar constantemente material. Há uma cobrança do público de que precisamos lançar novidade, eu sei que fico irritado quando minhas bandas favoritas demoram dois anos para lançar um CD.”

Ao experimentar seu som ao longo de seus sete anos na indústria, o baterista Tristan Evans, de 23 anos, disse:

“O legal é que você pode fazer tantas coisas diferentes e não ser julgado por isso, nos dias de hoje. Toda a moderna era do Spotify permite que as pessoas experimentem novas músicas. Para os artistas, é inspirador ouvir (e fazer) todos esses trabalhos distintos.”

deixe o seu comentário!