AgendaPróximos eventos

17/09 São Paulo – Brasil
20/09 Buenos Aires – Argentina
23/09 Auckland – Nova Zelândia
26/09 Brisbane – Austrália
27/09 Sydney – Austrália
30/09 Melbourne – Austrália
03/10 Perth – Austrália
10/10 Tóquio – Japão
11/10 Tóquio – Japão
13/10 Osaka – Japão
15/10 Taipei – Taiwan
02/02 Cape Town – África do Sul
03/02 Johannesburg – África do Sul
10.04.14
Categorias: Connor; Entrevista; The Vamps

Pressparty entrevista Connor Ball: Parte 2

Postado por Paula Sales Compartilhe já em:

Na tarde de ontem (09) a Pressparty entrevistou o baixista da banda The Vamps, Connor Ball. A primeira parte da entrevista foi publicada ontem mesmo e você pode conferi-la traduzida clicando aqui. Já a segunda parte foi divulgada hoje (10).

Acompanhe a conversa logo abaixo:

Dia 14 de Abril, o álbum de vocês, Meet The Vamps, vai ser lançado. Como você está se sentindo com a inauguração do primeiro CD da banda?

Muito assustado! Nós não sabemos o que vamos sentir, se as pessoas vão gostar, é bem emocionante. Nós não sabemos como será. É muito emocionante, mas ao mesmo tempo, assustador. Nós esperamos que o pessoal goste das músicas.

O quão envolvidos cada um de vocês estavam com a escrita, criação das músicas? Nós sabemos que vocês trabalharam com McFly e Savan Kotecha para algumas canções, mas vocês todos sentaram e contribuíram com ideias, temas ou letras?

Então… tinham duas músicas que nós queríamos fazer 100% por conta própria, e então muitas das outras, nós escrevemos com um produtor ou um co-escritor… nós sentávamos com alguém e então as ideias fluíam. Nós adoramos escrever músicas, então sempre estávamos todos nós. Nossa tendência é escrever sobre garotas em geral. É um tema que percorre o álbum todo… eu acho!

High Hopes nós escrevemos com o McFly. Ficou pronta em 1 dia. Só relaxamos na casa do Tom… pois é, 1 dia.

(Sobre terem trabalhado na música Somebody to You com Savan Kotecha) Ele é demais. Você fala algo e ele vem com ideias maravilhosas e você fica tipo ‘O que? Como você pensou nisso?’ Ele é tão talentoso. Foi adorável, porque foi em LA. Nós estávamos todos nos sentindo bem.

No começo do ano, vocês abriram o show da Taylor Swift na O2 arena, durante a sua breve passagem por Londres. Como foi tocar ao lado de uma superstar mundial e vocês aprenderam alguma coisa enquanto assistiam ou passavam tempo com ela?

Foi incrível. Ela é tão legal, a família dela é tão legal. Nós fomos tratados tão bem, considerando que éramos apenas os caras que faziam o show de abertura, e a plateia era ridiculamente incrível. O show da Taylor é espetacular, não é? É enorme. Nós saímos com ela depois e só conversamos, foi bom. Ela é tão humilde, é loucura. Você nunca esperaria isso de uma superstar como ela, mas é honestamente assim. Sim, nós a conhecemos (a gatinha da Taylor, Meredith). A gata é adorável. Nós nos inspiramos na Taylor enquanto ela se apresentava mais do que qualquer coisa… ela nunca fica sem fôlego, apesar de correr pra todo canto.

Vocês, por acaso, usariam um pouco dessa inspiração que tiveram da Taylor para a própria tour da banda?

Nós gostaríamos de pegar diferentes aspectos de cada tour para criarmos uma coisa só nossa, nós vamos juntar ideias sobre algumas coisas, eu acho. Vamos pensar nisso durante o ano. Nós teremos duas semanas de ensaios antes da tour, então vamos ver no que dá. Nós já temos algumas ideias. Estou muito ansioso para por esses planos em ação. Vai ser ótimo.

No momento, a indústria tem muitas bandas só de homens, e não apenas boybands. Existem Lawson, 5 Seconds Of Summer, McBusted, Mcfly e One Direction, por exemplo. Tem alguma pressão para vocês se destacarem no mundo da música?

Eu não acho que queremos nos fazer soar diferente, porque gostamos de todo mundo, mas queremos ter nosso próprio som, porque assim, as pessoas vão reconhecer isso. Nós não tentamos fazer nada diferente, nós só fazemos o que queremos fazer.