AgendaPróximos eventos

17/09 São Paulo – Brasil
20/09 Buenos Aires – Argentina
23/09 Auckland – Nova Zelândia
26/09 Brisbane – Austrália
27/09 Sydney – Austrália
30/09 Melbourne – Austrália
03/10 Perth – Austrália
10/10 Tóquio – Japão
11/10 Tóquio – Japão
13/10 Osaka – Japão
15/10 Taipei – Taiwan
02/02 Cape Town – África do Sul
03/02 Johannesburg – África do Sul
11.04.14
Categorias: Entrevista; The Vamps; Tristan

ECHO conversa com Tristan

Por Paula Sales Compartilhe já em:

A ECHO fez uma matéria sobre a banda e entrevistou Tristan, baterista. Ele basicamente falou sobre como é virar uma sensação do Youtube, abrir o show da Taylor Swift e mais!

Confira a matéria inteira traduzida a seguir:

Quando a banda The Vamps abriu os shows da Taylor Swift e The Wanted, eles causaram tanto pandemônio entre fãs, quanto atores em sagas famosas.

Os singles, Can We Dance e Wild Heart invadiram as paradas online rapidamente – o canal do Youtube deles atingiu uma média de 34.5 milhões de visualizações de fãs adolescentes, que ouviam, não só o próprio material da banda, mas também covers que vão de músicas do Bruno Mars à Arctic Monkeys.

Agora a banda – Bradley Simpson (vocal principal), Tristan Evans (bateria), James McVey (violão) e Connor Ball (baixo) estão se preparando para um show próprio de estreia na arena ECHO two.

É uma volta para os rapazes, que estiveram lá mês passado.

Tristan: Foi o primeiro dia de show com The Wanted, lugar ótimo para tocar. Na verdade, não me lembro muito, é como um borrão. Foi bem rápido, nós só tocamos cinco músicas. Mas foi muito divertido. Um ótimo amigo nosso do Lawson, Andy Brown, é de Liverpool, então sempre lembramos ele que vamos tocar lá. Nós não podemos esperar para tirar o dia todo de folga e explorar a cidade, é uma cidade tão musical. Quando nos apresentamos em lugares no norte da Inglaterra, é sempre mais proveitoso. Manchester e Liverpool são os mais memoráveis.

O álbum dos meninos, Meet The Vamps, sai na segunda-feira.

Tristan: Nós trabalhamos por muito tempo no álbum, então estamos muito animados pelo lançamento. Estou muito contente pelo resultado final. Ouvir um álbum que você acompanhou a confecção desde o começo é muito surreal. E, por mim, adoro ouvir She Was The One, foi uma das primeiras músicas que escrevemos como uma banda e me sinto muito realizado. Eu ouvi cada música individualmente umas centenas de vezes e ainda não me enjoei delas. São animadas, músicas de verão, e tem muitas experiências diferentes nele [álbum]. Tem uma música que James escreveu quando ele tinha 14 anos, e uma que Brad escreveu quando tinha 15. E até eu produzi algumas músicas para o Meet The Vamps também. Foi muito legal que eles nos deixaram acompanhar a produção de tudo. Nós aprendemos muito.

Tristan conheceu Brad e James pela internet.

Tristan: Pois é, nós nos achamos pelo Youtube e Facebook, e foi muito estranho o quão bem nos demos quando nós finalmente nos conhecemos pessoalmente. E ainda somos tão próximos agora. Vai ser assim por um bom tempo. É ótimo, e uma coisa muito rara, eu acho. Para nós, sermos grandes amigos e tocarmos juntos, é uma benção.

O Youtube tem sido crucial para o sucesso da banda.

Tristan: Acho que é porque pode ser acessado internacionalmente. Qualquer um pode assistir, qualquer um pode compartilhar e não é limitado. É uma ótima maneira de mostrar as pessoas seu talento. Então, sim, foi uma da ferramentas mais usadas por nós para construir nossa carreira. Todos aquelas milhões de visualizações são incríveis, mas nós tentamos permanecer humildes.

Inicialmente, eles se tornaram famosos por fazerem covers no Youtube. Como eles escolhiam as musicas?

Tristan: Não era difícil, eu sinto como se nós já tivéssemos feito covers de todos os artistas. Era bem ridículo, na verdade. Why’d You Ever Call Me When You’re High (do Arctic Monkeys) foi muito divertido de fazer. É como uma versão lounge. Eu adoro o Mash Up do Bruno Mars que fizemos na minha garagem. Não tínhamos orçamento nenhum, eu produzia e o nosso amigo, Dean, editava. Era tão prazeroso saber que as pessoas estavam gostando. Talvez o fato de ser tão natural foi o que nos deu essa base de fãs tão incrível online.

O álbum se manteve fiel as coisas simples, vídeos caseiros?

Tristan: Nós basicamente criamos Meet The Vamps nos nossos sótãos, quartos e garagens e só levamos para o estúdio. Tivemos muita liberdade para fazer o que queríamos. Nós todos tocamos instrumentos por quase 10 anos, então foi bem natural para a gente continuar tocando na The Vamps. Então, entre boybands, isso nos destaca. Nós, 5 Seconds Of Summer e The 1975 estamos trazendo a música baseada na guitarra de volta para os gráficos, o que é legal.

A banda não foi achada por reality shows como muitas outras.

Tristan: Nós nos encontramos, usamos a mídia da internet e o Youtube como plataforma maior que um reality show. Nós nos apresentamos muito e abrimos muitos show para artistas influenciáveis. Nós apanhamos todas as oportunidades que vieram ao nosso encontro, basicamente.

A banda fala muito sobre a glorificação que tem pela Taylor Swift.

Tristan: Taylor Swift é a pessoa mais legal que se pode conhecer. Muito humilde, mesmo sendo uma estrela tão grande. Ela é incrível. Nós somos tão sortudos em termos a chance de explorar o mundo. Viajar para LA e New York, nos divertirmos um pouco, sair com estrelas super famosas. Nós sabemos que somos muito sortudos por termos essa oportunidade e nós apreciamos isso. Você não pode fazer tudo de uma vez, é muito pesado, mas é loucura o quão ocupados estamos esses dias, nós amamos isso. Tipo, quando tocamos na O2 Arena, em Londres, foi tão especial pra mim. Era, literalmente, meu sonho tocar lá um dia, porque eu assisti aos show do Linkin Park e Blink 182 lá, e sou muito fã dessas suas bandas. Então tocar em um lugar tão considerado – mais de uma vez agora – é muito prazeroso.